sexta-feira, 31 de julho de 2009

SÉRIE RAÍZES - OS TEIXEIRA DO ICÓ (REEDIÇÃO)


Os Teixeira, em Icó, tem sua presença desde os tempos da formação da Vila e a expansão do gado bovino pelo Nordeste brasileiro nos séculos XVII e XVIII. Como marco histórico desse clã o antigo sobradão colonial onde hoje abriga o projeto Núcleo de Música Sobrado Canela Preta.

Tiveram fortes momentos de hegemonia política no Icó e toda a região sul do Ceará, início do Século XIX, durante o Primeiro Reinado (1822-1831) e guerras da Independência do Brasil, tendo após a abdicação de D. Pedro I (1831), perseguições sobre seus principais cabeças, por parte do governo provincial do Ceará, na pessoa de José Martiniano de Alencar (1794-1860), liberal, derivados dos conflitos da Confederação do Equador (1824), nas quais os Teixeira participaram ativamente - inclusive mudando de lado - e figuraram como principais oponentes as forças liberais-republicanas. As modificações políticas do Segundo Reinado, particularmente o perído regencial (1831 - 1840), derrubaram a hegemonia desse clã, resultando na condenação de João André à pena de morte que foi comutada em pena de degredo, por 20 anos, na Amazônia.

Dentre os célebres membros dessa casa, figuram os irmãos Felipe Benício Mariz, sacerdote católico e o Tenente-coronel João André Teixeira Mendes, o “Canela Preta”, membros da famosa “Comissão Matuta” que mandou para o paredão de fuzilamento quatro ex-confederados do Equador, episódio que figura num trágico episódio da Independência do Brasil e conflitos posteriores, com vasta bibliografia sobre o assunto.


I) ORIGENS:

Sobre a origem dos Teixeira de Icó há duas versões, que as pesquisas científicas da genealogia atual desvendam com dados menos míticos:

a) A primeira versão vem do Barão de Studart (1856-1938) - Dicionário Biobibliográfico Cearense (Barão de Studart) publicado em 1910 e João Brígido dos Santos (1829-1921), relatado em Antologia de João Brígico p. 566, http://books.google.com.br/books?id=tbENAQAAIAAJ&q=jo%C3%A3o+andr%C3%A9+teixeira+mendes&dq=jo%C3%A3o+andr%C3%A9+teixeira+mendes os clássicos historiadores do Ceará, ambas as obras republicadas várias vezes, e que dão bases e pistas para a reconstrução atual. Para esses autores os Teixeira originam-se da Bahia e chegaram aos sertões da Paraíba e do Ceará, na condição de Sesmeiros e também de arrendatários de fazendas da Casa da Torre de Garcia D’Ávila no século XVII e XVIII. Portanto, como pioneiros na expansão do gado.

A chamada Casa da Torre foi uma importante empresa da família, os D’Ávila, originados a partir de DIOGO ÁLVARES CORREIA "Caramuru (1475-1557), estabelecidos na Bahia que empreenderam as chamadas “bandeiras” pelo território nordestino, conquistando terras a todo e qualquer custo, inclusive com vidas dos indígenas, dado a expansão do gado bovino, originário da índia, a partir de 1679 a 1730. O herdeiro da Casa da Torre no fim do século XVI foi Francisco Dias de Ávilla. http://www.casadatorre.org.br/
“Que a casa da Torre, aquela época, penetrou os sertões do Nordeste é praticamente certo. Após margear o rio São Francisco, ligando a Bahia ao Piauí e avançar na direção norte até alcançar jacobina, ela tomou o rumo oposto às suas primeiras expedições e atravessou a serra do Araripe, descendo o rio Salgado até chegar ao Icó, de onde seguiu para o Rio do Peixe”. Porém, a colonização dos sertões de Pernanbuco, Siará Grande e Parayba deu-se muito tardiamente com relação ao restante dos territórios coloniais, e requereu a dizimação muitas de tribos indígenas, conforme noticia Capistrano de Abreu, in Capítulos da História Colonial.
.
Segundo o pesquisador paraibano Wilson Seixas “ Foi essa certamente uma das rotas de penetração da Casa da Torre por onde durante anos importantes parte do território paraibano começo a receber as primeiras sementes de gado com que fundam as primeiras fazendas e currais”. In O feudo: a Casa da Torre de Garcia d'Ávila : da conquista dos sertões à independência do Brasil.
Isso levou a aristocracia baiana a ser detentora de quase um terço das terras dos sertões da Paraíba e foi sujeitando-se a essa poderosa oligarquia os sesmeiros, dentre eles os Teixeira que adentraram os sertões dos Icó. Figuraria dente esses sesmeiros Alexandre Teixeira Mendes.Dentro dessa ótica, portanto, os Teixeira remontariam ao século XVII.

b) A segunda versão mais atualizada consiste na pesquisa de Francisco Augusto de Araújo Lima – 2001, na obra Famílias Cearenses que desfez o imbróglio do Barão de Studart e do João Brígido dos Santos e colocou a sua verdadeira naturalidade no Famílias Cearenses 1, 2001, páginas 307 / 315, segundo explicações do próprio autor.
O tronco inicial dos Teixeira-Mendes, objeto desse artigo é Alexandre Teixeira Mendes, que segundo o autor citado acima é nascido por volta de 1723. Natural da Freguesia de Canaveses, Concelho de Valpaços, distrito de Vila Real, Portugal. http://www.mapadeportugal.net/concelho.asp?c=1712.
.
Chegando ao Brasil, via Paraíba, casa-se por volta de 1753 com Tereza Maria de Jesus, natural de Nossa Senhora das Neves da Parayba (a atual João Pessoa). Ao que tudo indica esse casal terá os seus filhos em Patos, também na Paraíba, onde já se tinham estabelecido, como sesmeiros, possivelmente ligados à Casa da Torre, seus parenetes Paulo Mendes de Figueiredo e sua mulher Maria Teixeira de Melo, considerados os fundadores de Patos , de forma que em 21 de março de 1766 - em conjunto com outro casal de fazendeiros - doaram o patrimônio para a fundação do que seria futuramente a freguesia de Nossa Senhora da Guia.
Com o passar dos anos a segunda geração passará a habitar no Icó, Ceará, onde foram registrados alguns casamentos desse clã, ora na Igreja de Nossa Senhora da Expectação e um, excepcionalmente, na Igreja de Nossa Senhora do Rosário, então capela.
.
II) ESBOÇO GENEALÓGICO:
Do casal Alexandre T. Mendes e Tereza Maria de de Jesus, constam, em registro, os filhos:
1) Luciana Maria do Rosário (n +- 1754 ____) , que casou-se com Venceslau Lopes de Andrade (n.+-1752 ____);
2) Francisco Teixeira Mendes (n. +- 1755____) que casou-se com Maria José dos Milagres, pais de Ana Joaquina de Jesus (casou-se em 1809, na Matriz do Icó), Manoel Alexandre Teixeira Sobrinho, que casou-se em 25.09.1804 com sua prima Ana Macedo de Jesus Maria; e Maria Demétria do Coração de Jesus, que casou-se com seu primo João André Teixeira Mendes em 06.07.1803.
3) Manoel Alexandre Teixeira Mendes (n. +- 1756 ___) , que casou-se em 16.04.1776 na Matriz do Icó com Maria Catarina Sebastiana de Arendes (batizada em 06.07.1758).
.
Maria Catarina Sebastiana de Arendes, era filha natural do capitão Antonio de Melo Falcão, filho de Luiz Marreiros de Sá e Brites Maria de Melo Falcão, naturais do Cabo de Santo Agostinho, Pernambuco faleceu em Icó, segundo o mesmo autor, em 06.06.1758 e de Maria José de Brito, também Pernambucana, filha de Domingos de Brito Fiúza da Villa de Alagoas (a atual Maceió) e de Maria Barbosa, natural de Ipojuca, Pernambuco. Porém tinha como pais de criação o Tenente-Coronel Antonio Fernandes Bastos e Cosma Maria, residentes no Bom Sucesso da Soledade, onde tinha sido criada como filha desde o nascimento, tanto o é que esse casal foi o padrinho de batismo de seus dois filhos Teresa e Felipe Benício, o que prova as relações de família. Figuram como ancestrais do casal Antonio de Melo e Brites o legendário Jerônimo de Albuquerque e Maria do Espírito Santo Arcoverde, assim, pois os Teixeira do Icó, descendem dos primeiros colonizadores do Nordeste brasileiro.
.
Do casal o coronel Manoel Alexandre Teixeira Mendes e Maria Catarina Sebastiana de Arendes, nasceram os filhos:
.
1) João André Teixeira Mendes, nascido em 17.03.1771 e falecido por volta de 1864. Casou-se com sua prima Maria Demétria do Coração de Jesus, filha de seu tio Francisco Teixeira Mendes. Tenente-Coronel, de onde surgirá o apelido de “Canela-Preta” que a historia levará para o restante da família, numa forma de designar os Teixeiras descendentes dessa “rama” genealógica.

2) Ana Macedo de Jesus Maria, (Conhecida como Ana Maria Mendes ) n. 28.06.1776 e falecida em 1809) . Casou-se duas vezes, a primeira com Antonio Fernandes Pereira (natural do Concelho de Valpaços, Portugal) em 1798, enviuvando em 1804, casa-se, em segundas núpcias com seu primo Manoel Alexandre Teixeira Sobrinho, em 1804, filho de seu tio Francisco Teixeira Mendes.
.
3) Tereza, nascida em 11.02.1777, que o gealogista não encontra descendência;
.
4) Felipe Benício Mariz, nascido em 22.08.1779 e falecido por volta de 1837 (2), cujo nome de batismo é uma homenagem ao Santo do dia de seu nascimento, São Felipe Benício (1233), como era costume na época, já num sinal da "vocação" do nascituro. Foi ordenado padre, em Olinda, por volta de 1801/1801, mas deixará descendência na Villa Viçosa Real, uma vez que viveu com Silvéria Joaquina de Queiroz (?) - nome revelado na atualidade - possivelmente originária da Vila de São José de Aquiraz/CE, onde ele exerceu entre 1921 a 1923, temporariamente, seu ministério sacerdotal ou mesmo de Icó, necessitando de presuisa mais aprofundada.
.
III) ESTUDO GENEALÓGICO ELABORADO POR FRANCISCO PEIXOTO (CHIQUINHO PEIXOTO EM JULHO DE 2009), COM ACRÉSCIMOS DE WASHINGTON PEIXOTO.
.
1. DESCENDENTES DE ANA MARIA MENDES: Surge daqui o ramo de família Fernandes.

FILHO (do primeiro casamento de Ana com o bragantino João Antonio Fernandes Pires, o Marinheiro Fernandes): ALEXANDRE FERNANDES PIRES (Marinheiro Alexandre), ex-intendente de Icó, c.c. Mariana Fernandes, dos quais descenderam:

NETOS: Euclides, Leocádia, Antonieta, Lucíola, Cristina (ascendente de Horácio Nogueira de Queiroz, c.c. Adélia Nogueira, pais de Zuleica Nogueira Fernandes, c.c. o primo Newton Nogueira Fernandes) e ALBERTO FERNANDES (Alberto Marinheiro), c.c. Ester Nogueira Caminha, de quem são filhos:

BISNETOS: NEWTON NOGUEIRA FERNANDES (ex-Prefeito de Icó em dois mandatos – 1955-59 e 1963-67, pai de Paulo César, Marúzia, Horácio e Marília)), José Alberto, Marcelo, Jairo, Maurício, Ivan, Ieda, Zélia, Lígia e Iara, (sobrinhos-bisnetos do Canela Preta; os descendentes destes são, portanto, sobrinhos-trinetos do Canela Preta).
.
2. DESCENDENTES DE JOÃO ANDRE TEIXEIRA MENDES (CANELA PRETA), c.c. a prima Maria Demétria do Coração de Jesus, filha de seu tio Francisco Teixeira Mendes, acima citado.

FILHOS: Joaquim Inácio, Antonio, RITA (TEIXEIRA MENDES) ALEXANDRINO, JOSÉ OLÍMPIO TEIXEIRA MENDES, Ana, CÂNDIDA TEIXEIRA (MENDES) BASTOS, Maria, FRANCISCO TEIXEIRA MENDES e JOÃO ANDRÉ TEIXEIRA MENDES JÚNIOR. Veremos apenas os descendentes dos CINCO filhos que estão em destaque:

2.1. Desdendentes de JOSÉ OLÍMPIO TEIXEIRA MENDES (filho de João André): Celina, Telêmaco e COSMA ALEXANDRINA DE LIMA. Esta casou na família com Manoel Olímpio Teixeira e tiveram 8 filhos, a saber:

BISNETOS: JOAQUIM OLÍMPIO TEIXEIRA, Francisco, Luis, Josefa, Venâncio, Francisca, Liberalina e JOSÉ OLÍMPIO TEIXEIRA. Veremos apenas os descendentes de Joaquim e José Olímpio.

TRINETOS:

Filhos de JOAQUIM OLÍMPIO TEIXEIRA, c.c. Maria Luisa Alves (Dona Lulu, irmã de Francisco Maciel, da Fazenda Cajueiro): (1) MANOEL OLÍMPIO TEIXEIRA, c.c. Adélia Alves Maciel (filha do fazendeiro Francisco Maciel, acima citado), pais de Maria Orieta, Maria Orineide, Mário (pai de Emanuel Messias, Ijataquara e \Sumara Martins Maciel), José Maurício e Francisco Marilton; e (2) QUÍNZIO OLÍMPIO TEIXEIRA, c.c. Odete Olímpio Teixeira, pais de Írio, Ivan e Ivone Olímpio.
Os filhos de Manoel e Quínzio são, portanto, tetra-netos do Canela Preta; e os filhos de Mário, José Maurício e Francisco Marilton, seus pentanetos.

Filhos de JOSÉ OLÍMPIO TEIXEIRA, c.c. Maria Alves Carneiro (2ª. núpcias): (1) FRANCISQUINHA OLÍMPIO, c.c. Rafael Holanda, pais de Ana Néri, Ana Núbia, Ana Lícia, Ana Nívea, Ana Neyle e Rafael Filho Olímpio Holanda (o Deinha, c.c. Alcineide Costa, pais de Marcílio, Rafaela e Rafael Neto); e (2) LUIS OLÍMPIO.
Da mesma forma, os filhos de Francisquinha e Luis Olímpio são tetra-netos do Canela Preta; e os filhos destes, seus pentanetos.
.
2.2- DESCENDENTES DE JOÃO ANDRÉ TEIXEIRA MENDES JÚNIOR (filho de João André), que casou com Raquel Teixeira Mendes (Raquel Delfina da Conceição), com os seguintes descendentes: João André (o terceiro), Raimundo, Liberalino, Alcino, José, Jovina, Dursulina, Maria, Ana, Antonia, RITA e Francisco André, dos quais nos interessa apenas RITA TEIXEIRA MENDES, que casou com Manoel Joaquim Teixeira Pequeno e tiveram os filhos:
BISNETOS: Leandro e ANTONIO TEIXEIRA PEQUENO, tendo este casado com Maria Antero Pequeno, dos quais nasceram os filhos:

TRINETOS: Manoel, Alberto (Padre), Afonso (Padre), Plínio, Leopoldo, Ana Romana, Suzana, Petra, Marieta, Lídia, ANTONIO (Toinho Teixeira, o antigo proprietário do sobrado demolido e reconstruído, onde hoje funciona a Câmara de Vereadores), ÁUREA, PEDRO e MARCIAL TEIXEIRA PEQUENO. Este casou com Ana Dias Pequeno (Donaninha), filha de José Frutuoso Dias Filho e Joana Isabel Dias, a DONA JANOCA de Icó, líder conservadora e anti-aciolina, nascida em 08.0l.1848 e falecida em Cedro em 06.09.1935, onde está sepultada. Foram irmãos de Dona Janoca: José Frutuoso, Águeda e Maria da Glória Dias Pequeno (a do sobrado das seculares tamarineiras da antiga Rua das Almas, onde hoje reside Francisquinha Olímpio), e Francisco, João e Manoel Vieira Dias.

TETRANETOS:

São filhos de ANTONIO (Toinho Teixeira), c.c. Maria Albuquerque Pequeno: Olavo, Afonso, Antonio, Cecília, Maria e Plínio.

São filhos de ÁUREA (c.c. o farmacêutico e líder político Ilídio Sampaio, que dá nome a histórico logradouro de Icó): ANÍSIO SAMPAIO, ex-prefeito de Icó (1947-51) e outros irmãos.

São filhos de PEDRO (c.c. Maria Cecília): Luis, Maria, Luisa, Fernando Pequeno (o pintor de telas em nanquim dos casarões e sobradões de Icó), Pedro Alberto, Estefânia, Margarida, Maria Suzana e Raimundo. A mancha negra que existia numa das pernas de João André, e que lhe valeu o apelido de Canela Preta, repetiu-se geneticamente neste descendente.

São filhos de MARCIAL (c.c. Donaninha Dias Pequeno, como vimos atrás): Marcial Dias Pequeno (jornalista, ex-Ministro de Estado, com descendentes no Rio de Janeiro), Joana, Inês, Ana (casou com Eduardo Sabóia de Castro, de quem são filhos Maria Anice, Marcial e Ana, esta casada com o empresário de transportes de cargas Francisco Alves de Lima, o Tatica), Maria Dias (a Diquita, que casou com Expedito Celedônio, s/ desc.), Maria e José.
.
2.3. DESCENDENTES DE CÂNDIDA TEIXEIRA BASTO (filha de João André), que casou com Antonio Fernandes Basto (neto de Francisco Teixeira Mendes, que era tio do Canela Preta), com quem teve os seguintes filhos: 2.3.1. Joaquim Teixeira Basto; 2.3.2. José Teixeira Basto; 2.3.3. Manuel Teixeira Basto; 2.3.4. Maria Teixeira Basto; 2.3.5. Cândida Fernandes Bastos e 2.3.5. Antonio Teixeira Basto.
Filho 1 - 2.3.5 (conforme acima referido) Antonio Teixeira Basto c.c. Maria Medeiros Bastos, nasceu no Icó-Ce em 17/05/1891.
2.3.5.1. - GIL TEIXEIRA BASTO, casou-se em 29/04/1914, com a Jaguaribana Maria Cecília Mourão Pinheiro a qual passou a assinar MARIA CECÍLIA MOURÃO TEIXEIRA. Foi Tabelião e Músico. Filhos:
2.3.4.1.1. Gilberto Mourão Teixeira, já falecido era casado com Anaide de Oliveira Teixeira, com quem teve os seguintes filhos: Gilberto Moacir de Oliveira Teixeira, Moema Lúcia de Oliveira Teixeira(falecida), Neyara Helena Teixeira Portolese, Ricardo Jandui de Oliveira Teixeira e Fernando Juari de Oliveira Teixeira e Carlos Iberê de Oliveira Teixeira;

2.3.4.1.2-Enedina Teixeira Barreira, já falecida, casada com João Augusto Barreira, com quem teve os seguintes filhos: João Walder Teixeira Barreira, José Edisio Teixeira Barreira, Ernane Teixeira Barreira(falecido), Maragarida Maria Barreira Costa, Vera Lucia Barreira Uchoa, Renê Teixeira Barreira, Silvio Roberto Teixeira Barreira, Silvia Maria Barreira Chaves, Paulo de Tarso Teixeira Barreira e Tania Maria Barreira Ponte;

2.3.4.1.3-Eneida Teixeira Bezerra, já falecida, casada com Apparicio Bezerra de Figueiredo, com quem teve os seguintes filhos: Iara Teixeira Bezerra, Itamar Teixeira Bezerra, Ubirajara Teixeira Bezerra e Ubiraci Teixeira Bezerra;

2.3.4.1.4- Gilmário Mourão Teixeira, casado com Maria Teresa de Barros Teixeira, com quem teve os seguintes filhos: João André de Barros Teixeira, Alexandre de Barros Teixeira, Eduardo de Barros Teixeira e Cláudio de Barros Teixeira;

2.3.4.1.5- ENILCE TEIXEIRA GUEDES, casada com Manuel Valcascio Guedes de onde surgiu os filhos, netos e bisnetos: FILHOS: Giovanni Teixeira Guedes, Maria Lúcia Guedes Sampaio, Paulo Vagner Teixeira Guedes, Maria de Salete Teixeira Guedes e Maria Helena Teixeira Guedes; NETOS: Paulo Giovanni Pinheiro Teixeira Guedes, Manuel Valcascio Guedes Neto, Daniel Pinheiro Teixeira Guedes, Tiago Pinheiro Teixeira Guedes, Giovanna Perdigão Teixeira Guedes, Luciana Guedes Sampaio Porto, Carlos Eduardo Guedes Sampaio, Ciro Guedes Sampaio, Ana Paula de Freitas Teixeira Guedes, Paulo Wagner de Freitas Teixeira Guedes, Lucia Elizabeth de Freitas Teixeira Guedes(falecida), Enilce de Freitas Teixeira Guedes, Maria Cecília de Freitas Teixeira Guedes, Katia Maria de Freitas Teixeira Guedes, Larissa Guedes Albuquerque, rafael Guedes Albuquerque, Gil Artur Guedes Diógenes, Artur Cesar Guedes Diógenes, Aloisio Diógenes Neto e Yathiaia Teixeira Guedes Diógenes; BISNETOS: Neyara Helena Bezerra Guedes Diógenes, Paulo Vagner Teixeira Guedes Diógenes, Caio Fábio Sampaio Porto, Ana Carla Sampaio Porto, Artur Antonio Teixeira Diógenes de Oliveira, Nezon Guedes Diógenes, Alexandre Guedes dos Santos, José Carlos Teixeira Guedes..., Pedro Luis Teixeira Guedes Brito, Ana Beatriz Porfírio Guedes, Samuel Albuquerque Freitas, Maria Beatriz Albuquerque Freitas, João...Teixeira Guedes e David...Teixeira Guedes.

2.3.4.1.6-Gilvandro Mourão Teixeira, casado com Cleonice Mourão Teixeira, com quem teve os seguintes filhos: Moacir Flávio Mourão Teixeira (falecido), Luciano Mourão Teixeira, Maria Célia Teixeira Merighi, Roberto Mourão Teixeira, Marta Maria Mourão Teixeira dos Santos(falecida) e Maria do Socorro Mourão Teixeira;

2.3.4.1.7- Gildardo Mourão Teixeira( falecido)

2.3.4.1. 8-Gilvar Mourão Teixeira, (falecido), casado com Maria Eunides Cavalcante Teixeira, com quem teve, Fernando Antonio Cavalcante Teixeira;

2.3.4.1.9- Gilbraz Mourão Teixeira, (falecido) casado com Rita Maria Costa Teixeira, com quem teve os seguintes filhos: Carmem Cecilia Costa Teixeira e carla Costa Teixeira;

2.3.4.1.10- Maria Enaide Mourão Teixeira Bezerra, (falecida) casada com Guilherme Bezerra de Figueiredo com quem teve os seguintes filhos: Maria Teresa Teixeira Bezerra de Figueiredo, Marcia Bezerra gadelha Lopes, Sandra Teixeira Bezerra, Marcos Teixeira Bezerra e Cristiane Teixeira Bezerra(falecida);

2.3.4.1.11- Maria Enir Teixeira Albuquerque, casada com Faustino Albuquerque Sobrinho, com que teve os filhos: Augusto Teixeira de Albuquerque e Leonardo Teixeira Albuquerque;

2.3.4.1.12- Gilnei Mourão Teixeira, casado com Cely Barbosa Teixeira, com quenm teve as filhas: Tatiana Maria Barbosa Teixeira(falecida), Luciana maria Teixeira de Sousa e Adriana Maria Barbosa Teixeira;

2.3.3.1.13- Gilson Mourão Teixeira, casado com Marly Pinheiro Teixeira, com quem teve os filhos: Samya Pinheiro Teixeira, Patricia Pinheiro Teixeira Magalhães e Marcelo Pinheiro Teixeira;

2.3.3.1.14-Maria Enaise Teixeira Lins, casada com Gilberto Lins de Sousa, com quem teve os seguintes filhos: Paulo Sérgio Teixeira Lins, Carlos Augusto Teixeira Lins e Gilberto Lins de Sousa Filho;

2.3.3.1.15- Maria Enilce Mourão Teixeira(falecida)

2.2.2.1.16- Gil Teixeira Filho, casado com Rosa Carmem de Vasconcelos Teixeira, com quem teve os filhos: Ana Claudia Teixeira Viana, Maria Cecilia Teixeira Barreto Lima, Alexandre de Vasconcelos Teixeira e daniel de Vasconcelos Teixeira.
OBS. Dados dos descendentes de Gil Teixeira Bastos, fornecidos pela família.
.
F2 -2.3.5.2. NESTOR TEIXEIRA BASTOS, ex-Tabelião do 2º Cartório de Icó, c.c. Maria Isabel Alencar Teixeira, com os seguintes descendentes:
TRINETOS: 2.3.5.2.1. Ana Teixeira Bastos (Donana) c.c. Cícero Sá Pereira; filhos: Cícero Cesar e Teresa Neuma); 2.3.5.3.2. Suzana Teixeira Bastos c.c. Diomedes Lins; filhos: Kátia Helena, Ana Magnani, Isabel, Kelma, Ivana e Nestor); 2.3.5.2.3. Enedina Teixeira Bastos c.c. o agro-pecuarista Antonio Maciel; filhos: Ricardo, Renê, Rubens, Reuben e Mara Núbia); 2.3.5.2.4. Francisca Teixeira Bastos (Francisquinha) que casou, ele em segundas núpcias, com Cícero Sá Pereira e JOEL (descendentes em Fortaleza). Os filhos citados nos parênteses são, portanto, tetra-netos do Canela Preta.
.
2.4. . DESCENDENTES DE FRANCISCO TEIXEIRA MENDES (filho de João André), que casou com CÓRDULA NOBRE DA SILVA:
2.4.1. FRANCISCO TEIXEIRA MENDES JÚNIOR, Capitão da Guarda Nacional, que casou com Maria Felícia Pequeno e tiveram os seguintes filhos:

BISNETOS: 2.4.1.1. Pompílio, 2. Fausta, 3. Lázaro, 4. Antonio e 2.4.1.1.5. JOSÉ TEIXEIRA MENDES. Este casou com Maria Teixeira de Melo, (Conhecida como IGNEZ TEIXEIRA DE MELO, filha de Joaquim Marinho de Melo e Ignez Nobre Teixeira, com a seguinte descendênciacom a seguinte descendência:

TRINETOS: INÊS, ANA (Santana), Maria Teixeira (Titia, s/ desc.), Dulcinéia (Tiéia, c.c. Odon, s/ desc.), JOAQUIM (o Quinco Beleza), Ambrosina (Tibó, s/ desc.), ELISA, JOSÉ e FRANCISCO.
TETRANETOS:

2.4.1.1.5.1. São filhos de Inês Teixeira Mendes c.c. Sinfrônio Costa: 1) Niná Teixeira Costa c.c. o comerciante Francisco Morais Moreira; filhos: Dílson, Mônica, Leuda, Neyle, Inês, Eilson, Emilson, Célia, Gilson e Wedson Costa Moreira; 2) Judite Teixeira Costa c.c. o coletor federal José Cavalcante; filhos: Giovanni, Carlos Mandacaru, Paulo Afonso e Marcos Costa Cavalcante; 3) Antonio Teixeira Costa c.c. Maria Monteiro. Filhos: Jesumar, Rosinês, Maria Edva, Maria do Rosário, Maria Gorette, Antonio e Suerda Costa Monteiro; 4) Franisca de Assis Teixeira Costa e 5) Oliva Teixeira Costa (estas sem descendentes).

2.4.1.1.5.2. São filhos de Ana Teixeira Mendes (Santana), c.c. Alcides Costa: Filhos: 1) Maria de Lourdes Costa c.c. Anísio Sampaio, ex-prefeito de Icó; filhos: Marcos, Simone, Diana e Euler; 2) Anail Teixeira Costa c.c. Manoel Saturnino Bezerra, conhecido político icoense, s/ desc.); 3) Maria Teixeira Costa (descendentes em Fortaleza); 4) Maria Alcides Teixeira Costa (Cidinha) c.c. o primo José Teixeira Peixoto, filho de Eliza; filhos: Ana Pavlova Costa Peixoto, Carlos Alberto Costa Peioto, Jane Costa Peixoto e José Teixeira Peixoto Júnior) e 5) Dozinete Teixeira Costa c.c. Oto Moreira. filhos: Ângela e outros residentes em Santos, SP).

2.4.1.5.3. São filhos de Eliza Teixeira Mendes, c.c. Urbano Peixoto: 1) Manoel Teixeira Peixoto c.c. Maria Miguel Peixoto: filhos: César, Urbano, Simone e Edileusa Miguel Peixoto; 2)José Teixeira Peixoto c.c. Maria Alcides Costa Peixoto - primos 1º grau ( Cidinha); 3) Juarez Teixeira Peixoto c.c. Inês Costa Moreira, primozs 2º grau: filhos: Juarez T.Peixoto Jr., Rogério Moreira Peixoto, Marcos Aurélio Moreira Peixoto e Rosane Moreira Peixoto; 4) Maria Nilce Teixeira Peixoto c.c. Roberto Correia Lima; filhos: Armando César, Carlos Lineman, Nélia Rúbia, Oziel Gasmann, Jurgen, Margarida, Roberto, João Urbano, Liane, Risolene e Bergson Peixoto Correia Lima; 5) Maria Nilda Teixeira Peixoto c.c. Ivo Ferreira: filhos: Malta Séfora, Ivonildo e Indaiá Peixoto Feerreira) e 6) Maria Nilva Teixeira Peixoto c.c. Luis Gonzaga Vieira, filhos: Nólio, Washington Luiz, Luis Alberto, Wellington Luis e Fábio Luiz Peixoto Vieira.

2.4.1.5.4. É filho de Joaquim Teixeira Mendes (o Quinco Beleza) c.c. Maria Teixeira : CARLOS EUGÊNIO.

2.4.1.5.5. São filhos de José Teixeira Mendes (Zé Teixeira), c.c. Ceci Sampaio: FRANCISCO, JOSECY (c.c. Zuleide Rolim; filhos: Josileide, Carlos e Clayton)) e ONOFRE.

2.4.1.5.6. São filhos de Francisco Teixeira Mendes, c.c. Florentina Peixoto da Silva: 1) Maria do Socorro Peixoto Teixeira c.c. José Caminha; filhas: Maria do Socorro Teixeira Caminha; Madalena Teixeira Caminha, Marly Teixeira Caminha, Sônia Teixeira Caminha e Sílvia Teixeira Caminha, residentes em Niterói, RJ), 2) Maria Amélia Peixoto Teixeira c.c. o Capitão do Exército Aloísio Nascimento; filho: Stoney, já falecido) e 3) Francisco Teixeira Mendes - o Chico de Florzinha c.c. Ana Neide dos Santos; filhos: José, Madalena, Jorge, João, Carlitos e Francisco Wedson (Cueto) Teixeira dos Santos. Florentina Peixoto (irmã de Maria de Lourdes, e de Urbano Peixoto) casou em segundas núpcias com Antonio de Souza Lima, com quem teve mais duas filhas: 4) Maria Luísa Peixoto Sousa c.c. o Sub-Tenente da PM/CE Antonio Nestor Sérgio (filhos: Ana Maria, Ana Lúcia, Sandra e Antonio Sérgio) e 5) Maria Ubeny Peixoto Sousa c.c. José Francalino de Alencar (com desc. no Rio), ambas as famílias residindo no Rio de Janeiro.

Os netos dos seis trinetos do Canela Preta acima citados (nos parênteses) são portanto, seus PENTANETOS.
.
2.5. DESCENDENTES DE RITA TEIXEIRA MENDES:
Dª Rita Teixeira Mendes matimoniou-se com Francisco José Alexandrino, passando a assinar-se como Rita Alexandrinho. Desse casal nasceu dentre outros filhos BELISÁRIO CÍCERO ALEXANDRINO (n 20.04.1845 f. Fortaleza ?), que foi o 5º Indentende de Iguatu (1896) e Presidente da Assembléia Legislativa do Ceará e Governador do Estado de 12 a 14 de julho de 1912. Foi o Coronel Belisário que instituiu o Município de Joazeiro do Norte (Lei 1.028 de 22.07.1911).
.
IV. DESCENDENTES DE FELIPE BENÍCIO MARIZ (TEIXEIRA MENDES),PADRE CATÓLICO ROMANO:
Não obstante o Padre Felipe Benício ser Padre, egresso do Seminário de Olinda, desenvolveu atividades políticas fervorosas. O eclesiático irmão de João André, que é meu 4º avô, foi Vigário em Viçosa do Ceará (e em outras freguesias), todavia foi em Viçosa, então Vila Viçosa Real das Américas, freguesia de Nossa Senhora da Assunção que o mesmo por volta de 1830-35 passou a viver maritalmente com dª Silvéria Joaquina de Queiroz. Fato que não era incomum dentro os clérigos brasileiros até o final do século XIX. Desse casal nasceram - que se tem conhecimento - dois filhos: Urçulina Queiroz Teixeira e Alexandre Teixeira.
Dª Durçulina Queiroz Teixeira casou-se com Antonio Beviláqua, que era irmão de um dos sucessores de seu pai o Padre José Beviláqua (que também tinha mulher e filhos sendo pai do jurisconsulto Clóvis Beviláqua). De ursulina e Antonio Beviláqua nasceram os filhos:
.
1. Angelo Beviláqua (b. 1854) c.c. Luíza Gaspar de Oliveira, dos quais nasceram: Antonio, Maria daPenha, José, Manoel João Benício, Thiago, Fermino, Alexandre e Joviniano.
2. Rachel Queiroz Beviláqua - Não desvendei sua descendência;
3. João Benício Beviláqua c.c. Ideltrudes Beviláqua. Dona Ideltrudes era filha do Padre José Beviláqua e irmã de Clóvis Beviláqua, nascendo desse casal: Branca, Sara, Martiniana (Nenzinha) e Maria Beviláqua c.c. Francisco Vieira e Raimunda (Mundinha Beviáqua) c. c. Antonio dos Anjos Fontenele, que foi a mãe de Francisco de Assis, Gladys, Mirian, Doris e Laisse.
.
Os genealogistas, com o umbigo muito preso ao sul do Ceará, desconhecem esse ramo dos Teixeira, e que deixaram seus descendentes, particularmente em Viçosa do Ceará, Granja e Fortaleza. Tão legítimos quando os do Icó e tão queridos por nós, que inclusive temos graus de parentesco, desconhecido até o momento pela grande maioria desses descendentes de Alexandre Teixeira Mendes, já ramificados com as "grandes famílias" do norte do Ceará, incçuindo os Vieira e os Fontenele.
.
Texto de Chiquinho Peixoto, elaborado em julho de 2009.
REFERÊNCIAS:
Capítulos de História Colonial (1500-1800), João Capistrano de Abreu. http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=2074;
Dicionário Bio-Bibliográfico do Estado do Ceará, GUILHERME STUDARTO feudo - A Casa da Torre de Garcia d'Ávila: da conquista dos sertões à independência do Brasil, Luiz Alberto Moniz Bandeira,OBS: A ausência de sobrenomes Texeira Mendes em Ana, Teresa e Felipe Benício explica-se numa simples razão, tratam-se de registros em livros de anotações de batismo, criados antes do Registro Civil, onde usualmente constam apenas os nomes próprios ou nomes de Batismo.
Uma outra parte dos Teixeira de Icó, encontra-se espalhada pelo sul do Ceará, tendo conhecimento de parentes estabelecidos em Jaguaribe/Ce., a quem agradeceria, se fosse possível e do interesse a remessa da dados para esse Blog.
..
Texto reeditado in memoriam de três membros da Casa Teixeira do Icó que faleceram em julho de 2009: Maria Nilce Peixoto Correia Lima (75 anos. f em 25/07) , Fábio Augusto Moreira Aguiar (39 anos, f.; 24/09) e Leonardo Aguiar (f. 24/09, filho de Fábio).http://www.opovo.com.br/opovo/fortaleza/895875.html
Dados atualizados em 04 de agosto de 2009, com novos dados enviados por familiares de Gil Teixeira Bastis.

sexta-feira, 15 de maio de 2009

SÉRIE: RAÍZES - MARQUES VIANNA

A família MARQUES-VIANNA, em Viçosa do Ceará, está ligada diretamente ao Patriarca fundador, PEDRO ANANIAS MARQUES VIANNA, filho de JOAQUIM MARQUES VIANA originário de família luso-espanhola, nascido em Oeiras do Piauhy, Província do Piauí,(1) por volta de 1797 e falecido por volta 1870 (1). Oeiras, fundada em 1695 e capital da Província do Piauí, era nos séculos XIX e XVIII, uma das mais importantes cidades brasileiras, a quem a Villa Viçosa permaneceu administrativamente ligada, segundo informações do Barão de Studart, in notas para a história do Ceará. O sobenome composto é um sinal da tradicionalidade e antiguidade do clã.
.
Os Marques-Vianna já mantinham tradições no campo da escrita e da escrivania. Em 23 de fevereiro de 1644 D. João III nomeou António Marques escrivão dos pannos, que se fabricavam em Évora, Vicente Marques, foi escrivão da Ouvidoria Geral da índia no século XVII e os poetas Filippe Marques dos Santos, escrivão, e Joaquim Marques Vianna, supra citado, que constam na lista da Biografia de alguns poetas e homens ilustres na Província de Pernambuco, públicado em 1858. Cuja tradição se perpetuará no poeta-professor João Marques Vianna, em Viçosa, no início do século XX.

1. ORIGEM DA FAMÍLIA MARQUES:
.
.
As diversos troncos familiares que possuem Marques, em seus sobrenomes, são originárias do tronco Marquez espanhol, que passando descendentes para Portugal, transformou-se em uma das Coroas Ibéricas (Portugal e Espanha); em 1580 passou a ter também representantes portugueses. Recebeu do Imperador do Sacro- Império Romano Germânico (atuais Alemanha, Rep. Tcheca, Áustria, Bélgica e Países Baixos) da Espanha e Portugal, Carlos V, as armas dos Marques por carta datada 24 de abril de 1545 à Dom Antonio Marques de Oliveira. Segundo pesquisas, cada parte no brasão tem o seu significado específico, com as portas abertas (em preto) significa um feito de defesa de algum castelo no norte de Portugal ou no Norte da África, nas lutas da reconquista da Península Ibérica As duas chaves significam a reiteração e a guarda desse castelo. O castelo também pode significar aliança com a casa real de Castela, na atual Espanha. Por fim, no brasão original o fundo é azul, significado das virtudes de seu titular.

.
No brasão da Família Marques diz o seguinte: "descendentes da fidalguia espanhola de onde vieram com o sobrenome de "Marquez", o ramo português teve início pelo ilustre e fidalgo senhor Dom Antonio Marques de Oliveira, Alcaide Mor de Coimbra, 1º Conde de Vilhadolide, Cônsul Geral em Antuérpia. Seus desdendentes diretos ocuparam importantes cargos junto à Realeza. O Brasão de Armas foi concedido em 1.582."

2. ORIGEM DA FAMÍLIA VIANNA:

Sobrenome português toponímico, ou seja, de origem geográfica, vem da cidade de Vianna localizada as margens do Ródano, na Gália, nome dado ao local pelos Celtas, acredita-se que tal nome tenha origem no latim Biduana que significaria “cidade fundada muito rapidamente., que vem desde o século XII.
Existem poucos lugares em Portugal com esta denominação, um na província do Minho e outro no Alentejo. Também são encontrados nas províncias de Navarra e Lugo (Galícia), na Espanha. De acordo com certos etmologistas, significa pasto, ou lugar com abundância de pastos. Outros dão uma derivação mais poética, dizendo ser corruptela de Diana e podendo ser o lugar onde os habitantes reverenciavam Diana, a deusa romana da caça e das matas. Ela era associada à fertilidade e adorada pelas mulheres.
O sobrenome é encontrado em Portugal e Espanha, onde Francisco Leandro Viana y Saenz, Conde de Tepa se tornou cavaleiro na Ordem de Carlos III em 1780. Registros do sobrenome na América mencionam Francisca Viana y Alceibar, de Montevideo, que se casou com Fernando Zambrano y Avellaneda em Assumção, Paraguai, em 1799. Seu filho, Jose Zambrano y Viana, foi cavaleiro da ordem de Santiago em 1833.
As armas da família são as espanholas, entretanto , no Séc XIX foram designadas a um descendente de origem portuguesa. São as mesmas armas dos Azevedos, possivelmente por um erro do Marquês de Montebelo, o primeiro à usa-las.

3. OS MARQUES VIANNA EM VIÇOSA DO CEARÁ:

A família Marques Viana, em Viçosa do Ceará, está ligada diretamente ao seu tronco fundador, PEDRO ANANIAS MARQUES VIANNA (+- 1797-1870).

Era filho do Capitão-Mor nas Entradas de Sobral , Alferes JOAQUIM MARQUES VIANNA, nascido em Portugal por volta de 1765. Foi Juíz de Órfãos, nomeado pelo Capitão-Mor do Ceará Grande João Baptista de Azevedo Coutinho de Montaury, em portaria de 1º de outubero de 1782. Em pesquisas encontramos o Alferes em 22 de junho de 1822, prestando juramento, em conjunto com autoridades das província de Pernambuco ao Rei d. João VI, ao Príncipe Regente e ao Senado Portugês e à "Grande Família Portuguesa" em Recife, Capital da Província e em 28 de agosto de 1824 o Alferes da Calavaria de Cascavel, consta na Ata da Instalação da Confederação do Equador, da qual participa e assina como Alferes e Eleitor, em Fortaleza, Ceará, ao lado de José Martiniano de Alencar e Tristão Gonçalves e todos os representantes do Ceará. http://books.google.com.br/books?id=xE0DAAAAMAAJ&pg=RA1-PA196&lpg=RA1-PA196&dq=marques+viana+%2B+sobral&source=bl&ots=Zmsdizo0XM&sig=msCxL8swxyqlRP3KZz5aNBBTIkw&hl=pt-BR&ei=5CwUSrffD8-ktwf0itWaBA&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=5#PRA1-PA183,M1. Foi também vereador da Comarca de Granja.
Em face aos ofícios do Alferes Joaquim, a família estabeleceu-se em várias localidades, inclusive Oeiras, primeira Capital do Piaui, Sobral, Cascavel, Recife, Granja e Fortaleza, mas com ascêndência em Pernambuco.
Pedro Ananias Marques Vianna que casou com Maria do Carmo da Soledade (álibe Lina).
Pedro Ananias foi Escrivão de Paz da Vila Viçosa Real d’América, designado para o serviço de escrivania pública da vila, onde foram sendo registradas as posses das Sesmarias e demais propriedades, por volta de 1817 e realizando os serviços específicos da justiça de então. Isso seu deu na consolidação da Freguesia e Vila, instaladas em 1759, criadas pela Carta Régia de 6 de maio de 1758, e do aparato burocrático. Sendo o redator da ata da 1ª eleição para a Senado da Câmara da Vila, ocorrida na Vila Viçosa em 1849, derivada da Lei assinada pelo Imperador em 19 de agosto de 1846, que é a 1ª legislação eleitoral elaborada pelo poder legislativo, e a primeira eleição geral no Brasil. (in Annaes do Parlamento Brazileiro – Câmara dos Srs.Deputados, Sessão de 1850 –Tomo , Publicado por Tipographia do Imperial Instituto Artístico). .
Segundo tradições familiares MARIA DO CARMO DA SOLEDADE (Lina), cujas linhas de pesquisas atuais indicam ser filha presumível do padre Bonifácio Manoel Antonio Lelou (ou Wolf ou Lobo), vigário de Viçosa entre 1779-1805, onde faleceu, e de dª Paula Rodrigues de Sousa. Segundo tradições familiares era natural da Vila do Ingá, na Próvíncia da Paraíba, atual município de Ingá, na Paraíba, a 95 Km de João Pessoa. (8), todavia de difícil comprovação essa naturalidade paraibana dada a ausência de dados documentais.
As pesquisas atuais registram como filhos de Pedro Ananias a dois filhos: o Tenente Irinêo Marques Vianna (+-* 1822† ...) e João Ananias Marques Marques Vianna (+-*1825 †...), Maria Marques Viana e Clemência Maria de Jesus. É possível a existência de mais descendentes, porém não se tem até o momento o registro de outros filhos/filhas.
A residência da família do Escrivão de Paz, bem como o seu cartório, situava-se em largo lote localizado na atual Rua Lamartine Nogueira, no terreno imediatamente em frente ao Teatro Pedro II, estendendo-se até os limites da antiga cadeia pública, demolida para edificar-se prédio da Codepi, hoje Prefeitura Municipal. Na dita casa morou e faleceu o professor João Francisco Marques Vianna em 1930, sendo posteriormente vendida, não obstante constar venda da porção de terra na parte dos fundos do imóvel, linha da atual Silva Jardim, por Irineu Marques, ao padre José Beviláqua, já no século XIX, constando de terreno e casebres. (in Clóvis Beviláqua: sua vida, sua obra, Bastos, Edições UFPE, 1990).
O filho mais velho era IRINÊO MARQUES VIANNA (*1822 †...), que o sucedeu na escrivania e nas lides judiciais, foi Tenente da Guarda Nacional, Promotor Público interino da Comarca nomeado pelo 1º Juiz de Paz Joaquim Ferreira de Carvalho, entre 1872 a 1884, cargo que deixa após a chegada do promotor Raimundo Farias Brito.

O segundo filho era JOÃO ANANIAS MARQUES VIANNA (*1825 †...), que casou com JOAQUINA PEREIRA DE BRITO (1827).

JOAQUINA PEREIRA DE BRITO era filha de JUSTINO PEREIRA DE BRITO e ROSA MARIA ALVES. Trineta de JOSÉ PEREIRA DE BRITO (português - *1792 †...) que casou com 45 quarenta e cinco anos de idade, com URSULINA MARIA DO ESPÍRITO SANTO (1813 †...), natural de Piracuruca, Província do Piaui. Neta de JOÃO SEVERINO DE BRITO e UMBILINA MARIA DA CONCEIÇÃO e bisneta de SEVERINO PEREIRA DE BRITO e QUITÉRIA MARIA DE JESUS.

Esse casal teve vários filhos, conforme segue:

O primeiro filho foi ANTÔNIO MARQUES VIANNA (*...† 1855) c.c. MARIA ROSA FONTENELE (+-1860... † - filha de José Tomaz Fontenele e Fausta Maria Fontenele, primos em 1º grau, Tomaz, filho de Paulo Fontenele c.c. Rosa Maria do Esp. Santo e Fausta, filha de Felipe Benício Fontenele). Antônio foi pessoa influente em Viçosa, tendo sido membro do parlamento municipal em 1884.(7)

Desse casal nasceram:
1) João Francisco Vianna (*11.02.1875- † 20.09.1930), o histórico professor João Viana. Faleceu sem deixar descendência;
2) Francisco Modesto Vianna, faleceu sem deixar descendência;
3) José Firmato Vianna;
4) Raimundo Marques Vianna c.c. sua prima em 1º grau, Petronília Marques Vianna (Nem), que foi comerciante no então próspero distrito de General Tibúrcio, o antigo entreposto de Tubarão;
5) Antonio Marques Vianna;
6) Alfredo Marques Vianna;
7) Joaquim Fontenele Vianna;
8) Maria Marques Vianna c.c. Pedro Bartolomeu de Arruda (Lameu), que depois de casada passou a chamar-se Maria Vianna de Arruda;
9) Emília Fontenele Vianna;
10)
Georgina Fontenele Vianna;11) Joaquina Fontenele Vianna; e
12) Honorato Confronez Vianna.

O segundo filho foi JUSTINO MARQUES VIANNA, casado com a amazonense RAIMUNDA MARIA VILAÇA, cujos filhos foram:
1) Francisca Maria Vilaça Marques c.c. João Marques Miranda, seu primo em 1º grau;.
2) Floripes Vilaça Marques, que casou com José Pedro Carneiro.


O terceiro filho foi PEDRO MARQUES VIANNA;

O quarto filho foi JOÃO MARQUES VIANNA(*1875- †... ) c.c. PHILOMENA MARQUES VIANNA(Filó) (*1878 - †...), filha de JOAQUIM RICARDO e dª MARIA ROBERTA MACHADO DE SIQUEIRA. Comerciantes em Viçosa. (6) dos quais foram gerados os seguintes filhos:

1) Geminiana Marques Vianna Fontenele (* 1893 - † 1969) c.c. João Gonçalves Fontenele (f. 1968), filho de Antônio Gonçalves Fontenele e Cândida Maria do Carmo; comerciante de varejo, cujo estabelecimento comercial ficava onde hoje é o Hilton Arruda, próximo ao antigo Mercado da Penha. Não tiveram filhos e deixaram os seus bens, em testamento, para a Paróqua de N. Srª da Assunção, em troca de uma missa anual e a manutenção do túmulo onde está sepultado o casal. A Igreja nunca cumpriu o acordado, de forma que o túmulo ruiu há dois anos, sendo reerguido por uma das sobrinhas da falecida. Quando às missas, não se tem notícia de uma única até os dias atuais que não tenha sido encomendada e "paga" a espórtula pelos familiares e amigos.
2) Raimunda Marques Vianna Carvalho (*24.06.1898 - † 16.03.1969) c.c. António Carneiro Carvalho (f. 1970). Não deixaram filhos legítimos, mas criaram uma moça ;
3) Petronília Marques Vianna (*1899 - †...) com Raimundo Marques Viana, acima referidos. Deixaram descendentes, que se criaram no distrito do Tubarão (General Tibúrcio);
4) Francisco Marques Vianna (*1903 - † ...) c.c. Raimunda Marques de Miranda, primos em 2º grau, neta de João José de Miranda e Raimunda Marques da Conceição. Teveram 3 filhos;
5) João Marques Viana c.c. Francisca Lopes, felecidos. Deixaram descendentes;
6) Luiza Amélia Marques Vianna Vieira (*1905 - † 1978) c.c. Francisco José Vieira (*1898- †1975), também comerciante. Estão sepultados no Cemitério São João Batista, em Viçosa. O casal teve 14 filhos, criando-se 10. Francisca Amélia Vieira (Neném), primogênita nascida em 29.01.1923. Professora de peimeiras letras em Viçosa, educou gerações; Irmã Maria Amélia Vieira, (Amelinha). É religiosa conhecida como Irmã Lúcia Vieira, Filha da Caridade de São Vicente de Paulo, reside em Caicó/RN, há mais de 50 anos, onde é um ícone no cuidado com idosos e educação da juventudde; Honorina Amélia Vieira de Macedo, (Nitinha), casada com Giornado Porto de Macedo, sem filhos, Irmã Maria Helena Vieira, (Dolena). Filha da Caridade de São Vicente de Paulo da Província de Belo Horizonte, integrava o primeiro grupo de religiosas a habitar Brasília em 1960, fundando a creche Medalha Milagrosa no Lago Sul, hoje desenvolve trabalhos sociais no Bairro da Ceilância, no Distrito Federal; Maria Filomena Vieira - falecida criança; Luiz Gonzaga Vieira, Servidor da Receita Federal, falecido em 1987, casado com Maria Nilva Teixeira Peixoto Vieira, tiveram 5 filhos e são pais do autor desse texto, http://iconacional.blogspot.com/2009/04/familias-cearendes-origem-dos-teixeira.html; Hugo Vieira, falecido criança; Vicente de Paulo Vieira, Oficial da reserva da Marinha, casado com Mª do Socorro Pacheco de Siqueira Vieira. Fernando Vieira, e Hugo Vieira, falecidos criança; Francisco de Assis Vieira, Serventuário da Justiça aposentado, casado com Maria das Vitórias Fontenele Vieira; Maria Carmélia Vieira, Educadora do Estado do Ceará, graduada em Esdos Sociais; Áurea Stela Vieira, falecida com problemas cardíacos no Rio de Janeiro em 1973, foi professora diplonada pela Escola Virgem Poderosa de São Benedito/CE, Era titular de "cadeira" do Grupo Escolar Júlio de Carvalho, quando adoeceu gravemente, indo realizar tratamento no Rio de Janeiro, onde faleceu e foi sepultada. Sofreu grave injustiça, pois embora doente foi exonerada pelo Estado. Eram os tempos da ditadura, onde as pessoas não tinham seus direitos garantidos. Teve seus restos mortais trasladados posteriormente para Viçosa, onde se encontra no jazigo da família; e Maria Francinete Vieira Siqueira, Educadora, com várias graduações e especializações, viúva de Ednaldo Siqueira Pacheco, falecido em maio de 2009. http://iconacional.blogspot.com/2009/05/blog-post_12.html.(http://iconacional.blogspot.com/2009/03/blog-post_18.html

7) Oséias Marques Viana (*1906 - † 1925) faleceu solteiro, com apenas 19 anos, cuja causa mortis apresentada foi uma "congestão" derivada de tabus alimentares, "Era um bonito rapaz! Chegou suado em casa e comeu uma banana... e foi logo morrendo..." o que se presupõe que o rapaz era cardíaco, e não sabiam, naqueles tempos sem recursos médicos.
A quinta filha foi JOAQUINA MARQUES DA CONCEIÇÃO ;
A sexta filha foi RAIMUNDA MARQUES DA CONCEIÇÃO (n. 1857/8) que casou com JOÃO JOSÉ DE MIRANDA (1822-1891), viúvo de Maria Joana da Maternidade (1824). Essa união foi bastante conflituosa. O fato reflete a situação da mulher no século XIX, quando uma menina de 15 ou 16 anos era casada com um homem bem mais velho, a situação de pobreza que obrigava as pessoas a buscarem amparo nas relações matrimoniais e tudo sem sem nenhuma consuta à nubente que era entregue ao leito matrimonial, in casu um viúvo com cerca de 50 anos e cheio de filhos. Do outro os filhos de João José, que não aceitaram de jeito nenhum a presença de uma substituta para a mãe, particularmente se tratando de uma moçinha mais nova que os próprios filhos do 1º casamento. Isso implicaria ainda na divisão do patrimônio do pai com a nova família. Desse casamento nasceram os filhos:
1) Francisco Marques de Miranda (n. 1885, f 1941) c.c. Maria Passos(Maroca);
2) João Marques de Miranda (n.1885, f. 1957) c.c. Francisca Maria Viláça (ou Vilácia);
3) Antonio Marques de Miranda (n.1887 d. 1955) c.c. Candida Maria de Jesus;
4) Justina Marques de Miranda (1882 f. ..) c.c. Júlio Alves Feitosa;
5) Joaquina Marques de Miranda (n.1883 f. ) Justino José Vieira.

O sétimo filho foi MANUEL MARQUES VIANNA, c.c. ANA MARQUES VIANNA, (Nãna), dos quais nasceram os seguintes filhos:
1) José Marques Vianna c.c. Luzia Fontenele Pacheco;
2) Francisca Marques Vieira, c.c. José Vieira, (que era filho de José Raimundo Vieira e.. 3) Antonio Marques Vianna c.c. Rita Magalhães Vianna.

O(a) terceiro(a) FILHO(a), de Pedro Ananias foi CLEMÊNCIA MARIA DE JESUS, que casou-se com JOÃO ANTUNES PACHECO, em 19/04/1841 filho do Sargento-Mor Comandante do Corpo de Ordenanças de Brancos da Villa Viçosa JOAQUIM JOSÉ PACHECO, que era casado (25.04.1808) com ANA JOAQUINA DE SOUSA, indo residir na localidade designada de Brejo dos Pachecos, nas proximidades do distrito de Padre Vieira, de onde provém numerosa prole. Foram as segundas núpcias de João Antunes que era viúvo de Ângela Simplício de Jesus. Segundo historiadores viçosenses, João Antunes teria participado da defesa da Vila Viçosa por ocasião do movimento pós-independência do Brasil dsignado de Balaiada, ocorrido entre 1838 a fins de 1841, "De um lado, grandes proprietários de terra e de escravos, autoridades provinciais e comerciantes; de outro, vaqueiros, artesãos, lavradores, escravos e pequenos fazendeiros (mestiços, mulatos, sertanejos, índios e negros) sem direito à cidadania e acesso à propriedade da terra, dominados e explorados por governos clientelistas e autoritários formados pelas oligarquias locais que ascenderam ao poder político com a “proclamação da independência” do país", (11) estando João Antunes na defesa da propriedade das terras. Segundo o historiador Edgad Bizerril, já falecido desse casal surgem os Pyndaíra Pacheco de Viçosa do Ceará.
O (a) quarto(a) filho(a) de Pedro Ananias, é Maria Marques Vianna, que casou-se com Domingos Antonio Vieira. Ela foi herdeira de parte de terras no sítio Bananeiras, onde também herdou o seu irmão João Marques Vianna, avó do autor desse texto, e cuja avó Luíza herdou parte de seu pai.
Jaz, no túmulo da família Passos, no Cemitério São João Batista de Viçosa do Ceará, Francisca Marques Vieira, nascida entre 1870/75 e falecida na década de 1940. Pelos sobrenomes poder-se-ia identificar Francisca como descendente do casal Domingos Antonio Vieira e Maria Marques Viana. Fato que demonstra os não raros casamentos entre os Vieira e os Marques Vianna.
Constam como descendentes de Pedro Ananias, em terceira geração, Maria do Carmo Marques (*02.12.1840/†x.10.1942), mãe de Affonso Deocleciano Marques Viana (*1870-†... ) que casou com Rita Soares Marques (Queridinha) e Francisca Olgarina Marques (*16.05.1874-† 19.10.1935), que casou com o coronel Antonio Honório Passos, (24.04.1871/15.06.1951) dos quais nasceram os filhos:
1) Mário Passos (8.04.1897– 3 .07.1979) c.c. Lucila Paixão (24.071898 - 2..5.1992). http://www.apcl.com.br/NOTICIAS/coluna_mariopassos.htm;
2) Antônio Honório Passos Filho (02.05.1903/06.03.1983) c.c. em primeiras núpcias com Cecy de Carvalho Passos http://www.opovo.com.br/opovo/jornaldoleitor/877186.html (d. 9.5.1929) em segundas núpcias com Maria Disney Cella Menescal M.Passos, com descendência dos dois consórcios;
3) Monsenhor Olavo Passos (15.11.1899 - 13.04.1987). Foi ordenado sacerdote por Dom José Tupinambá da Frota em Sobral a 15 de abril de 1923. Celebrou sua primeira missa na catedral de Sobral a 16 de abril de 1923. http://www.piracuruca.com/textopersona.asp?codigo=7 ;
4) Honorina Passos. Educadora. Faleceu solteira;
5 Alaíde Passos de Pinho Pessoa c.c Justo de Pinho Pessoa, com descendência;
6. Diva Passos Correia c.c. Dr. Jaime Correia (Camocim), com descendência e
7. Marieta Passos Silva c.c. José Maria Tavares Silva, com descendência..
8. Caio Passos, c.c. Edisse Fontenele Passos, com descendência.
Numa linha geral aí estão os Marques Vianna de Viçosa do Ceará até a 5ª Geração, ou seja de 1750 - 1910, com informações de algumas pessoas nascidas entre 1924 a 1950. Ausentes outrtos nomes de pessoas vivas, exceto as enumeradas acima, filhos de FCº José Vieira e Luíza A. Vieira, meus avós.


O presente trabalho permanecerá aberto e em constante construção com a implementação de dados e possíveis correções e inclusões. Agradeço a colaboração dos parentes e interessados.
Esclareço que esse trabalho destina-se só e unicamente a reconstrução da memória familiar, como parte integrante da História e como forma de compreerdermos o nosso presente à luz dos fatos e dos acontecimentos passados, mas que refletem o futuro.
REFERÊNCIAS:
FONTES PRIMÁRIAS DE PESQUISAS:
Manuscritos de Edgard Bizerril Fontenele;
Manuscritos digitalizdos de José Viana de Arruda, Viçosa do Ceará.
Anotações de Filomena Marques Vianna ;
Anotações posteriores de Maria Carmélia Vieira;
Cartório do Registro Civil de Viçosa do Ceará;
Arquivos da Diocese de Tianguá, provenientes da Freguesia de Nossa Senhora d'Assunção de Viçosa do Ceará;
Lápides tumulares no Cemitério São João Batista de Viçosa do Ceará;
Arquivo Nacional;
Arquivo Público do Estado do Ceará;
Informações de familiares;
Lista telefônica;
OUTRAS FONTES:
A margem da história do Ceará. Gustavo Barroso. Publicado por Imprensa Universitária do Ceará, 1962. http://elraupp.sites.uol.com.br/histvianna.htm
Cronologia Sobralense: http://www.familiascearenses.com.br/images/indice1.pdf
História da Comissão Científica de Exploração, Por Renato Braga, Brazil. Comissão Científica de Exploração Publicado por Impr. Universitária do Ceará, 1962 Original da Universidade do Texas
Digitalizado pela 29 jan. 2008, 405 páginas.

Notas de viagem, Antônio Bezerra, Publicado por Imprensa Universitária do Ceará, 1965 428.

Parlamento. Câmara dos Srs. Deputados, Publicado por Tipographia do Imperial Instituto Artistico., 1850 , Observações do item: v. 1
http://books.google.com.br/books?id=oiFXAAAAMAAJ&q=pedro+ananias+marques&dq=pedro+ananias+marques&pgis=1;

Três séculos de caminhada, Vicente Miranda, SM, 2001, 524 páginas
http://pt.wikipedia.org/wiki/Oeiras_(Piauí)

Observações:
1 Chegou a Vila Viçosa Real, como Escrivão de Paz, conforme registros encontrados no em Anais do Parlamento, publicado pela Tipographia do Imperial Instituto Artistico, 1850. Segundo o falecido genealogista das origens viçosenses, dr. Edgard Bizerril Fontenele, Pedro Ananias teria vindo de Oeiras no Piauí, todavia segundo tradições manuscritas e posteriormente digitalizadas pelos familiares do Sr. José de Arruda (José Lameu) ele teria vindo do Maranhão. Fica esclarecida essa divergência em face ao ofício de Juiz e Alferes de Joaquim Marques Vianna.


2. Alguns dados constam em branco em face a dificuldades documentais;

3. Algumas datas são aproximativas, considerando o período histórico de cada pessoa.

4. O nome original é Vianna, con 2 N, passando com as reformas ortográficas para a forma simplicicada Viana com 1 N.

5. Em face a destruição de alguns documentos eclesiais bem como a prática de enterro nas Ifgrejas e a posterior destruição dos cemiterios do século XIX, alguns dados permanecem como fonte primamária as tradições familiares, que tem o seu valor histórico.
6. Filomena tinha somente uma irmã , Leonília, que casada passa a assinar-se por Leonília Braga (Lira), filhas de Joaquim e Maria Roberto, que a tradição familiar conta que eram descendentes de italianos, cujo Ricardo poderá ser a corruptela de Ricardinni, "seu Ricardim", como era chamado;
7. Faziam parte do Senado da Câmara dos Vereadores em 1º de dezembro de 1984: Manoel Paz dos Santos, Joaquim Manoel Archanjo, António Marques Vianna, João Machado de Siqueira, Domingos Braga de Magalhães, João José de Miranda, João Tavares Pereira, José dos Santos Magalhães, Antonio José Fontenelles, Antonino Benício Fontenelle, Manoel Benício Fontenelle, Antonio Lopes Braga, Firmino do Espírito Santo Magalhães, dentre outros.
8. A Vila do Ingá é hoje o Município de Ingá, município no estado da Paraíba, distante de João Pessoa 95Km, está localizado na microregião de Itabaiana. O povoado foi fundado no século XVII, elevado à condição de Vila em 1840. O fato mosta o intercâmbio entre as diversas cidades e povoações nordestinas e o fluxo migratório das populações no século XVII a XIX. http://ruidasilvabarbosa.blogspot.com/2008_09_01_archive.html
Haviam, ainda, duas irmãs de Maria do Carmo da Soledade: a) Inocência Francisda Xavier, segunda esposa de Antônio do Espírito Santo Magalhães (o Velho Comandante), natural de Santa Quitéria/CE, que deu origem a um dos ramos Magalhães de Viçosa, e outra de nome não identificado casada com Antonio Monteiro de Sá Albuquerque, Escrivão da Correição, que era irmão do Padre Antonio Monteiro Sá, vigário de Viçosa entre 1806/1809. Essa informações permaneceram veladas por mais de dois séculos, em "segredos de família", sendo tornados públicos através desssas notícias genealógicas. s ttp://books.google.com.br/books?id=xE0DAAAAMAAJ&pg=RA1-PA196&lpg=RA1-PA196&dq=marques+viana+%2B+sobral&source=bl&ots=Zmsdizo0XM&sig=msCxL8swxyqlRP3KZz5aNBBTIkw&hl=pt-BR&ei=5CwUSrffD8-ktwf0itWaBA&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=5#PRA1-PA200,M1
11. http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/brasil/cpda/estudos/cinco/clau5.htm
12. Documentos para a história indígena no Nordeste: Ceará, Rio Grande do Norte e Sergipe
Por Sylvia Porto Alegre, Marlene da Silva Mariz, Beatriz Góis Dantas, NHII-USP, 1994

11. Corrigindo informação anterior: João José de Miranda já era viúvo de Maria Joana da Maternidade , sendo o pai de Vicente Ferreira de Miranda, do qual registram-se vários filhos com sobrenomes Miranda-Carneiro, Miranda-Mapurunga ou simplesmente Miranda. A morte do velho João Miranda ocorreu em1891, sendo o inventário realizado em 1892.

TEXTO E PESQUISA DE WASHINGTON LUIZ PEIXOTO VIEIRA, COM DIREITOS AUTORAIS NA FORMA DA LEI Nº 9.610/98- SE COPIAR CITE A FONTE
Texto atualizado em 02/06/2009, ás 6h00.

quarta-feira, 18 de março de 2009

SÉRIE RAÍZES: VIEIRA, PASSOS E SIQUEIRA DE VIÇOSA DO CEARÁ

As origens históricas da família Vieira, em Viçosa do Ceará, remontam à primeira metade do século XVIII, mais precisamente por volta de 1739 ou 1740.

Essa antiga família do setecentos está ligada à própria história da colonização do Ceará a partir do século XVIII. Porém poucos tem conhecimento desses fatos, de forma que outros clãs se insurgem, em tempos mais recentes, apagando as origens dos antigos colonizadores portugueses do século XVIII e seu processo de inculturação e miscigenação.
.
É sabido que a colonização do "Siará Grande", como era designado o que hoje se entende mais ao menos ao Estado do Ceará, nordeste brasileiro, se deu muito tardiamente em relação ao Brasil, pois os indígenas ali estabelecidos desde tempos imemoriais e outros que migraram do litoral resistiram à invasão e ocupação portuguesa. Eis a razão pela qual a ocupação portuguesa buscou ajuda aos missionários religiosos, particularmente aos jesuítas – que tiveram já em 1608, insucesso na região da Ibiapaba (cuja emblemática, levada à cabo por muitos anos, foi a célebre morte do missionário Francisco Pinto, cantada e decantada na literatura religiosa e apologética do padre Antonio Vieira) e que só iriam fundar reduções a partir do final do século XVIII, quando os próprios índios o requereram, como uma forma de defender-se da ferocidade dos bandeirantes, vendo-se na iminência de tornarem-se escravos dos colonizadores.

Os Vieira, ao longo de dois séculos e meio séculos foram perdendo a história de suas origens, crescendo em número e diminuindo em importância econômica, política e cultural - avessos que são, por tradição familiar, a essa última atividade humana como profissão. Isso se deu por orgulho de suas ancestrais, que mantiveram-se no isolamento rural, sem abertura a outros clãs, assim casavam-se primos com primos, fechando-se ao mundo e ao progresso, muma total, falta de visão e consciência de mundo, da mudança dos tempos e o conseqüente investimento em educação mais aprimorada de sua prole, dentre outros aspectos.

1.1. A origem do sobrenome Vieira: Todos os apelidos portugueses vêm geralmente de algum lugar ou de alguma atividade profissional. No caso específico Vieira pode ter se originado na região do Minho, município português do distrito de Viana do Castelo ou da freguesia do conselho de Vieira do Minho, bem como Vieira de Leiria, freguesia do conselho da Marinha Grande, daí o símbolo da concha em leque utilizado nos brasões tradições, com as seguintes significações:

a) De cunho teológico e espiritual a Vieira leva-nos a uma história sobre
Santo Agostinho, " que, encontrando um jovem na praia, que com uma concha procurava pôr toda a água do mar num buraco cavado na areia, lhe perguntou o que fazia; e, tendo obtido a resposta, explicou-lhe a sua vã tentativa, e, assim, Santo Agostinho compreendeu a referência ao seu inútil esforço de procurar fazer entrar a infinidade de Deus na limitada mente humana. Está aí expresso um convite ao conhecimento de Deus, mesmo se na humildade da incapacidade humana.”, conforme explicações do brasão do papa Bento XVI, que a tem em suas armas.

b) De cunho material e existencial: A Vieira dourada ou em cor amarela utilizada nos brasões simboliza a nobreza, autoridade, premência, generosidade, ardor religioso..
1.2. - João Vieira Passos, o fundador:A história dos Vieira na Ibiapaba tem início a partir de um João Vieira Passos¹ de origem portuguesa, que chegara às terras brasileiras por volta de 1739 ou 1740. Certamente esse personagem histórico achegou-se à Ibiapaba movido pelos indícios do desenvolvimento econômico da Redução Missionária de São Francisco Xavier, cuja tomada dos jesuítas criadores e gestores do sistema até ocorreu em 1759 ou mesmo em busca do eldorado perdido a que as montanhas brasileiras despertavam nos aventureiros e colonos.

Mas deixando de lado o romantismo é interessante notar que a partir de 1750 a política da coroa portuguesa volta-se contra as práticas missionárias que se tinham implantado em suas colônias, desde o século cujas as idéias de “secularização das missões” são postas em prática, o que significada tomar o poder dos padres católicos e entregá-la nas mãos dos civis e isso possivelmente induziu muitos portugueses a aventurarem-se nessa empreitada, fato que iria acontecer em 1757, com a expulsão dos jesuítas das colônias portuguesas.

A base geográfica dos Vieira em Viçosa estavam nas terras da Buira (8) e Ubari, portanto fora do aldeamento missionário e à espera da tomada de poder pelo estado português, cujas terras, no geral, foram adquiridas em leilão.

Conforme pesquisas genealógicas publicadas os Vieira teriam um mesmo tronco comum de João Vieira Passos. Os registros genealógicos dão conta que João Vieira Passos, (+- 1723 - 1773), foi pai de João Álvares Passos (+- 1765-1815), "João Ruim", como ficou conhecido no sertão de Granja, casou-se com Genoveva Rodrigues da Câmara, filha do português António (...) que gerou João Antonio Vieira Passos (+- 1782 -1832), cuja mulher era Florinda Siqueira (?) no caso específico pais de José Antônio Vieira (+- 1799 - 1849), a partir do qual desenvolvemos árvore genealógica objeto desse estudo. (2)

Após a expulsão dos Jesuítas e a implantação do Diretório dos índios e a criação da "Villa Viçosa Real" , em 07 de julho de 1759, iremos encontrar formando a administração da Vila, como vereador, um tal de Agostinho de Brito Passos, o que intuo como um dos descendentes de João Vieira Passos, filho ou sobrinho, talvez.

João Álvares Passos (1765-1815)2 , tinha o cognome de "João Ruim"³. Tinha a fama de perverso, possuía cativos(4). Dado a ausência da escravidão africana em terras Cearenses, particularmente na região Hoje conhecida como Ibiabapa e Viçosa, e dado a coincidência do tempo histórico de João Álvares com a expulsão dos Jesuítas, a dispersão dos índios e o escravizamento desses, então fora da proteção missionária, intuo que João Álvares teria sido um desses homens que criou o seu patrimônio pelas mãos dos “caboclos” escravizados, (6) como eram chamados os aborígines brasileiros. Mas ao que parece João Álvares Passos morreria endividado.

Nos dias atuais a grande família está espalhada por todo o Brasil - e mundo- como também muitos de seus descendentes permanecem em Viçosa, tanto na urbe quanto na região rural. Tanto pessoas com recursos econômicos e culturais como trabalhadores mais humildes e até sem escolaridade.

Em minhas pesquisas, a partir de minha própria árvore genealógica pelo lado de meu avô Paterno, Francisco José Vieira, consegui, com auxilio de minha tia Mª Carmélia Vieira, identificar parte dessa grande família a partir de meus tataravôs José Antônio Vieira e Cândida Siqueira Vieira, dados por vezes necessitando de correções, alterações e ampliações, particularmente dado a enorme repetição de nomes "Franciscos" e "Franciscas" e casamentos com parentes próximos (endogamia), sem contar o distanciamento das pessoas, por razões diversas, contando ainda com migrações para outras regiões e cidades dadas ao longo do século XIX e XX.

A fim de melhor esclarecer esses fatos solicito ao leitor, da mesma árvore geológica que nos ajude a identificar melhor essa linhagem, inclusive com as datas de nascimento e mortes que permanecem perdidas pelo tempo.Isso ajudará a construir melhor a história da família entendendo a nossa realidade na formação cultural e histórica de Viçosa, do Ceará e do Brasil.

1. João Vieira Passos, (+- 1723 - 1773);


2. João Álvares Passos ( .... -1845), "João Ruim", como ficou conhecido em seu tempo, casou-se com Genoveva Rodrigues da Câmara, filha do português António Ferreira Alvarenga e Ana Maria Rodrigues da Câmara; http://iconacional.blogspot.com/2009/06/ancestralidade-dona-victoria-rodrigues.html e neta de Victória Rodrigues da Câmara, que se diziam ser filha natural do padre jesuíta Ascengo Gago com uma índia filha do cacique d. Felipe de Sousa Castro.


3. João Antonio Vieira Passos (+- 1782 -1832), cuja mulher era Ângela Maria de Jesus no caso específico pais de, (entre outros filhos aqui não demonstrados):


4. José Antônio Vieira (+- 1799 - 1849), a partir do qual desenvolvemos árvore genealógica objeto desse estudo.
4. José Antônio Vieira (f.21.7.1918) e Cândida Hermelina de Siqueira (f.11.11.1912), contrairam matrimônio por volta de 1820/1827, na Matriz de Nossa Senhora da Assunção da Villa Viçosa Real d'América, oficiado pelo padre Manoel Pacheco Pimentel (1825-1827), tiveram os seguintes filhos:


4.1.. Raimundo José Vieira, que casou com Raimunda Hermelina de Siqueira;


4. 2. João Calixto do Siqueira, que casou com Maria José Vieira;


4.3. Conrado José Vieira, que casou com Leonor Carneiro Mapurunga;


4.4. Antonio José Vieira, que casou com Maria José Álves de Siqueira, (álibe Álvares de Siqueira) bisavós do autor desse artigo.


4.5. José Antonio Vieira, que casou-se com Raimunda Vieira de Sousa;


4.6. Maria Genoveva de Siqueira, que casou com Manuel Lopes de Araújo;


4.7. Jacinta Vieira;


4.8. Francisca Vieira que casou com Antonio Domingues Veras;



DA DESCENDÊNCIA DOS FILHOS DE JOSÉ ANTONIO E CÂNDIDA HERMELINA:




Foto de Antonio Siqueira Vieira, feita em 1950, em sua casa na Buíra, repare na rusticidade da habitação


4.4. Da parte de Antonio Jósé Vieira (1870 - 22.07.1955), c.c. Maria José de Siqueira (1876 -15.04.1942), filha de Francisco Machado de Siqueira e Florinda Álvares Siqueira. Primos legítimos. Contraíram matrimônio em 03 de julho de 1888, ela então com apenas 12 anos, na Matriz de Nossa Senhora da Assunção da Villa Viçosa Real d'América, oficiado pelo Padre José Bevilácqua (1844-1905). O casal passou a coabitar como marido e mulher somente em 1896. Por alegada "promessa" de Maria José todos os filhos receberam o nome no batismo de Francisco e Francisca, de forma que a maioria dos filhos tem o mesmo nome, todos porém eram chamados por putros nomes: Rosa, Florinda, Teté, Homim, Frasquim, Florinda, Benedita, Santa, Siqueira, Mocinha, Sinhá (conforme abaixo) sem os ter de fato em seus registros. Conta-se, em família, que isso se deu por conta de Mª José "não se dar muito bem com a sogra" de nome Cândida que Antonio Vieira, queria dar á filha mais velha, assim sendo a "promesssa" fora inventada para evitar o contragosto. Os netos o chamavam ao avô de "Padrinho Vieira".
4.4.1. José Vieira de Siqueira, contraiu matrimônio com Francisca Vieira de Siqueira. O casamento de Zé Vieira foi em Parnaíba/PI, para onde havia migrado em sua juventude, tiveram sete filhos.
4.4.2. Francisco José Vieira (17.02.1898 - 05.04.1975), contraiu matrimônio com Luíza Amélia Marques Viana (27.12.1905 - 25.02.1978). Filha de João Maraues Vianna JOÃO (*1875- †... ) c.c. Philomena Marques Vianna (Filó) http://iconacional.blogspot.com/2009/05/familias-vicosenses-marques-viana.html, naturais de Viçosa do Ceará, casamento realizado na Matriz de Nossa Senhora da Assunção de Viçosa em fevereiro de 1922, oficiado pelo Padre José Carneiro da Cunha (1912-1939). Residiram em Viçosa. Estão sepultados no Cemitério São João Batista. O casal teve 14 filhos, criando-se 10. Francisca Amélia Vieira (Neném), primogênita nascida em 29.01.1924. Professora de peimeiras letras em Viçosa, educou gerações, Irmã Maria Amélia Vieira, (Amelinha). É religiosa conhecida como Irmã Lúcia Vieira, Filha da Caridade de São Vicente de Paulo, reside em Caicó/RN, há mais de 50 anos, onde é um ícone no cuidado com idosos e educação da juventudde, Honorina Amélia Vieira, (Nitinha), casada com Giornado Porto de Macedo, sem filhos, Irmã Maria Helena Vieira, (Dolena). Filha da Caridade de São Vicente de Paulo da Província de Belo Horizonte, integrava o primeiro grupo de religiosas a habitar Brasília em 1960, fundando a creche Medalha Milagrosa no Lago Sul, hoje desenvolve trabalhos sociais no Bairro da Ceilância, no Distrito Federal, Maria Filomena Vieira - falecida criança, Luiz Gonzaga Vieira, servidor da Receita Federal, falecido em 1987, casado com Maria Nilva Teixeira Peixoto, http://iconacional.blogspot.com/2009/04/familias-cearendes-origem-dos-teixeira.html. Hugo Vieira, falecido criança, Vicente de Paulo Vieira, Oficial da reserva da Marinha, casado com Mª do Socorro Pacheco de Siqueira Vieira. Fernando Vieira, e Hugo Vieira, falecidos criança, Francisco de Assis Vieira, Serventuário da Justiça aposentado,(faleceu em 03.01.2011, sepultado no Cemitério de Viçosa em 04.01.2011) casado com Maria das Vitórias Fontenele. Maria Carmélia Vieira, Educadora do Estado do Ceará, graduada em Estudos Sociais, Áurea Stela Vieira, falecida com problemas cardíacos no Rio de Janeiro em 1973, foi professora estadual do Grupo Escolar Júlio de Carvalho. Foi sepultada no Rio de Janeiro, teve seus restos mortais trasladados posteriormente para Viçosa, onde se encontra no jazigo da família e Maria Francinete Vieira, Educadora, com várias graduações e especializações, viúva de Ednaldo Siqueira Pacheco, falecido em maio de 2009. http://iconacional.blogspot.com/2009/05/blog-post_12.html.


4.4.3. Francisco (Raimundo) Siqueira Vieira, c.c. Violeta Cunha Cavalcanti. O casal passou a residir em Fortaleza a partir dos anos de 1960, onde faleceram e foram sepultados.


4.4.4. Francisca (Florinda) Siqueira, sem descendência. Faleceu nos anos de 1970, em Viçosa , e está sepultada no jazigo de Fcº José Vieira ;


4.4.5. Francisca (Rosa) Vieira, c.c. Perilo Elpídio dos Santos, sem descendência – Rosa casou-se com Perilo já em idade avançada, quando ele jé era viúvo, moravam no distrito de General Tibúrcio. Rosa faleceu nos anos 1980, em Viçosa, e está sepultada no jazigo de Fcº José Vieira.


4.4.1.6. Francisca (Benedita) Vieira Siqueira, c.c. João Calixto de Siqueira Filho, primos em 1º grau. Moravam no Juá dos Vieiras, distrito de Viçosa com descendência;


4.4.7. Francisca Vieira Siqueira (Siqueira), c.c. Antonio Tavares, dos quais nasceram quatro filhos. Após a morte de Patriarca a família mudou-se para Fortaleza;


4.4.8. Francisco Vieira Siqueira (Fransquim). Faleceu em Viçosa, sem descendência; Está sepultado no cemitério do Sítio Buíra.


4.4.9. Francisca Vieira Siqueira (Mocinha) c.c...... , com descendência. Dos quais nasceram seis filhos.


4.4.10. Francisca Siqueira Vieira (Sinhá), c.c. Antonio Passos. Do casal nasceram seis filhos.


4.4.11. Francisca (Santa) Siqueira Vieira c/c José Veras Vieira (1.6.6). Com descendência.


4.3 - Da parte de Conrado José Vieira,c.c. Leonor Mapurunga, ela era filha de Maria Joaquina e José Carneiro da Cunha Mapurunga, eles eram primos legítimos.


4.3.1. Maria Mapurunga Vieira c.c. Tomaz Pereira;


4.3.1. – Cândida Mapurunga Vieira c.c. Antonio Cardoso Sobrinho;
4.3.3. – Osina Vieira c.c. Antônio da Paz dos Santos;
4.3.4. – Francisca Mapurunga Vieira c.c. Raimundo Paz dos Santos;


4.3.5. – Raimunda Vieira Mapurunga c.c. João Vieira de Araujo; 4.4.6.– Maria Mapurunga Vieira (Arica) c.c. Vicente Domingos;


4.3.7 – José Conrado Vieira c.c. Rosalina Firmina de Miranda;


4.3.8 - Antônio Conrado Vieira c.c. Cândida Veras Vieira;


4.3.9 - Manoel Conrado Vieira c.c. Vicência Helena de Araújo;


4.3.10 - Norberto Conrado Vieira c.c. Durçulina Beviláqua Vieira, filha de Fcº Vieira e Mª Beviláqua (ver abaixo) e em 2ªs núpcias com Júlia Ferreira de Sousa.


4.3. Da parte de João Calixto de Siqueira c.c. Maria José de Siqueira, do casal nasceram:


4.3.1. José Nolasco Pereira (n. 1885);


4.3.2. Maria Siqueira de Araújo c.c. Joaquim Teodoro de Araújo;


4.3.3. Joaquim Pereira de Siqueira (n. 1892);


4.3.4. Francisco Calixto de Siqueira (n. 1895);


4.3.5. João Calixto de Siquira Filho (n. 1895) c.c Benedita Vieira de Siqueira;


4.3.6. Conrado Calixto de Siqueira (n. 1896);


4.3.7. Manoel Calixto de Siqueira (n. 1897);


4.3.8. Maria do Livramento de Siqueira (1901) c.c. Raimundo Pereira;


4.3.9. Raimunda Siqueira de Sousa (n. 1903)


4.8. Da parte de Francisca Vieira casada com Antônio Domingues Veras.


4.8.1. Florinda Vieira Veras, c.c. José Francisco de Miranda. Florinda e Zé Miranda moram em Viçosa, onde faleceram. Estão sepultados no Cemitério S.João Batista. Dos quais nasceram os filhos: Júlia Vieira de Miranda, Maria Vieira de Miranda, solteira, Francisca Vieira de Miranda, falecida solteira em 2008, José Felipe Vieira de Miranda, Maria de Lourdes Vieira de Miranda, c.c. Francisco Pacheco, com descendência.


4.8.2. Elvira Veras Vieira, c.c. Felizardo Fontenele Pacheco. Contraíram matrimônio na Matriz de Nossa Senhora da Assunção em viçosa do Ceará em 1922, oficiado pelo Rev. Mos. José Carneiro da Cunha. Felizardo faleceu em 1977 e Dª Elvira nos anos de 1980. Estão sepultados em Viçosa. O casal teve 08 filhos: Luís, Antonio, Francisca (Chiquinha), Maria Veras (Bahia), Rosa (Lolô), George, Irmã Maria Helena , religiosa (FC), José (Teteco), Veras e Dilma Veras Pacheco.
4.8.3. Honorina Veras Vieira , c/c... com geração;
4.8.4. Alaíde Veras Vieira, c/c... com geração;
4.8.5.. Antônio Veras Vieira, c/c ... com geração;
4.8.6. José Veras Vieira, c/c Francisca (Santa) Vieira de Siqueira (1.1.12)

4.1 Da parte de Raimundo José Vieira, casou com com Raimunda Ermelina de Siqueira (contraiu 3 matrimônios): Essa árvore genelógica torna-se complexa dado o grande número de matrimônios e membros da família, que engloba grande parte da família "Pacheco" de Viçosa;Das 1ªs núpcias com Ermelina


4.1.1. Tristão Vieira (n. 20.12.1880 - f. 14.07.1858), casado em primeiras núpcias com Raimunda dos Santos, (dª Mundoca, n. 18.7.1887, f. 29.8. 1922) filha de Antonio Jorge dos Santos e Joana Fancelina dos Santos , naturais de Parnaíba (Dª Mundoca);


4.1.1.1. Francisca dos Santos Vieira (Santa) 1909- 1997 , c.c com João Evangelista de Miranda (1896 - 1959) , filho de Vicente Ferreira de Miranda e Júlia Carneiro Mápurunga;


4.1.1.2. Francisco Tristão Vieira (Toca), c.c. com Claudina Lopes ( natural de Granja/CE, que depois de casados passaram a residir em Tutóia/MA);


4.1.1.3. Francisca Maria Vieira Carvalho (Mira) Vieira, c.c. com Antônio Feliciano de Carvalho;


4.1.1.4. Francisca das Chagas Carvalho;


4.1.1.5. Francisco Raimundo Vieira;


4.1.1.6. Francisca das Chagas Vieira.


Em segundas nupcias de Tristão com Joaquina de Sousa Vieira (n. f. 18.04.1941), nasceram os filhos:


4.1.1.7. José Tristão Vieira;


4.1.1.8. Pedro Tristão Vieira;


4.1.1.9. Maria Edite Vieira;


4.1.1.10. Mariana de Sousa Vieira;


4.1.1.11. Teresa de Sousa Vieira;


4.1.1.12. Antônio Tristão Vieira;


4.1.1.13. Raimundo Tristão Vieira;


4..1.1.14. Manoel Tristão Vieira;


4.1.1.15. Luísa de Sousa Vieira;


4.1.1.1.16. Benedito Tristão Vieira e


4.1.1.17. Benedita de Sousa Vieira.



4.1.2. Francisco das Chagas Vieira (Chiquinho), c.c. com Maria Beviláqua. Dos quais naceram os filhos:


4.1.2.1. Benício Beviláqua Vieira, sem descendência (Nome dado em homenagem a seu biasavó materno o Padre Felipe Benício Mariz, vigário de viçosa entre 1817/1840);


4.1.2.2. Durculina Beviláqua Vieira (Dulcinha, nome dado em homenagem à sua avó materna Urçulina ou Durçulina) c.c. com Norberto Conrado Vieira, c/ desc.,


4.1.2.3. Íris Beviláqua Vieira, sem descendência;


4.1.2.4. Humberto Beviláqua Vieira, c.c. com.....c/ desc.;


4.1.2.5 Cecy Beviláqua Vieira, (faleceu em 2008) c.c. com Antonio Ferreira;


4.1.2.6. Luis Beviláqua Vieira, Eclesiástico (faleceu como Pároco de Paracuru/CE);


4.1.2.7. Edmundo Beviláqua Vieira, casado com Osmarina Magalhães Vieira;




Francisco Vieira casou-se em segundas núpcias com Marta, sua sobrinha em primeiro grau, não tendo filho, porém criando como filha sua sobrinha.



4.1.3. Clotilde Vieira (Coló), sem descendência;
4.1.4. Paulo Vieira , c.c. Gilberta Pacheco, dos quais nasceu Paulo Gilberto;


4.1.5. Maria Vieira, c.c. com Joaquim Fontenele Pacheco, com vários filhos: Maria Pacheco Vieira (Bahia); Rosemira Pacheco Vieira, c.c. Vicente Fontenele Figueira, Raimunda Pacheco Vieira, c.c. com José Mamede Fontenele. Beatriz Pacheco Vieira, c.c. Eduardo Alves Portela, Mirian Pacheco Vieira, c.c. Manoel Alves Portela, Raimundo Pacheco Vieira, c.c. Maria Amélia, José Pacheco Vieira, Mariana Pacheco Vieira, c.c. José Magalhães Vieira, Francisco Pacheco Vieira, c.c. Maria de Lourdes Vieira de Miranda, c. desc. (conforme 4.1.6.1.4 ) e Maria do Livramento Pacheco Vieira. Desse grupo famiar surge numeroso clã.
4.1.6 – Francisco Vieira. c.c. , dos quais naceram: João Vieira c.c. Maria Celeste Magalhães, com geração.


O TEXTO COMPLETO FOI RETIRADO EM VIRTUDE DE REVISÕES - POSTERIORMENTE O PUBLICAREMOS NA ÍNTEGRA


WASHINGTON LUIZ PEIXOTO VIEIRA (opinion.blog@hotmail.com)

Texto atualidado às 12h12 do dia 19/04/2011.

Texto atualizado em 18/05/2011;


Texto atualizado em 18/10/2011 às 10:16

Texto atualizado em 14/01/2011 - falecimento de Francisco de Assis Vieira

Referências: Este trabalho utilizou como referência diversos meios: Informações verbais, registros de lápides em túmulos ou cruzes, busca em registros eclesiásticos, nomes que foram encaminhados via internet por diversas pessoas que o leram ao longo dos cinco anos em que foi escrito, buscou a valiosa ajuda da obra Três Séculos de Caminhada de Vicente Miranda, que nos referimos em post anterior, a valiosa contribuição de Maria Carmélia Vieira, conhecedora da família  e outras obras de cunho genealógico. Possivelmente constam muitas omissões, fruto da própria dispersão da famílias. O motivo que nos levou a elaborar este trabalho foi - e é - de de alguma forma juntar as pessoas dispersas neste plano material e no espiritual num único lugar, o que de certa forma é o céu, sejam as nuvens, onde a internet percorre com os anjos e as ondas magnéticas. (Em 26.10.2014)